Carnaval da Bahia, o mundo se une aqui.

Sou mais a Bahia, Governo da Bahia.

Ritmos populares do mundo tomam conta do terceiro dia de folia no Pelô

Sonoridades mundialmente populares como kuduro, afrobeat, dub, soul music e reggae, além de ritmos popularmente baianos como arrocha, pagode e samba, deram o tom da terceira noite de Carnaval do Pelô, numa festa em que a diversidade se fez presente de muitas formas. Em destaque, o show da banda camaçariense Afrocidade com as cantoras trans Titica e Majur, a primeira, angolana, e a segunda, baiana como o grupo. A conexão com o continente africano também foi fortalecida no show Blackfolia World Black Music, que contou com a nigeriana Okwei Odili e os baianos Dja Luz e Daúde.

No show “Conexão Bahia Angola”, a música afrobaiana politizada, popular e contagiante, como é descrita a mistura músico cultural da Afrocidade, foi potencializada pelo balanço eletrizante do kuduro de Titica e pela força das múltiplas representatividades expressadas pelo trabalho de Majur. Uma marca importante da apresentação foi fazer subir ao palco principal do Carnaval do Pelourinho duas artistas trans, reforçando o discurso de representatividade e inclusão emanado em toda apresentação. Para Majur, “estar nesses espaços é um momento único. Estou aqui para representar a Bahia, o que a gente tem de bom e a originalidade afro”, diz.

Em seguida, no palco principal no Largo do Pelourinho, com o tema Excentricx e Extravagantxs, o Três na Folia reuniu as cantoras Sandra Simões, Claudia Cunha e Manuela Rodrigues, retomando a formação original do projeto que levou o público a relembrar antigos carnavais, afoxés, músicas dos blocos afro, além dos elementos do rock de Rita Lee e Rau Seixas.

Quem ficou até o final da programação vivenciou um encontro potente dos artistas Daúde, Okwei Odili e Dja Luz, na terceira noite do Carnaval do Pelô. O show trouxe a música cubana, jamaicana, nigeriana, estadunidense e brasileira reunidas em um único repertório. A ideia de construir um repertório focado na música negra mundial permitiu que a cantora e compositora, Okwei Odili, natural da Nigéria, participasse pela primeira vez do Carnaval do Pelô. “Eu gosto da folia daqui justamente por possibilitar que as pessoas possam conhecer outro tipo de música e outro tipo de cantores. Estou muito feliz de perceber que estamos na mesma linguagem”, disse.

Reggae em evidência

A programação também foi movimentada nos largos Pedro Archanjo, Tereza Batista e Quincas Berro d’Água. Em destaque, muitos foliões curtiram o balanço do reggae, que foi muito bem representado na noite de domingo. A Orquestra Reggae de Cachoeira levou levando para o palco do Pedro Archanjo 23 músicos, com idades entre 14 e 29 anos, parte do projeto existente desde 2012 e que atua ensinando jovens da cidade a tocar diversos instrumentos. Já no Largo Tereza Batista, a galera curtiu o show da cantora Renata Bastos, uma das grandes expoentes femininas do reggae baiano. Com um repertório formado por canções autorais, e clássicos de Bob Marley e Edson Gomes, a artista participou pela segunda vez no Carnaval do Pelô.

Brincar e carnavalizar
 
Mais um dia de baile infantil no Carnaval do Pelô, que também pode ser chamado de batalha de espuma, chuva de confete, mar de sorrisos e muita diversão. A festa ficou sob o comando de Ray Gramacho e a Banda Folia, que, como prometido, integrou crianças e adultos e deixou a tarde de domingo (03) genuinamente colorida e vibrante. A apresentação contou a mistura de ritmos, agregando canções do mundo da infância, além de outras consagradas nos carnavais da Bahia, animando crianças de todas as idades, inclusive as que já são chamadas adultas.
Afrocidade

Lazzo Matumbi

Renata Bastos

Três na Folia

Kizumba

Marcionílio Prado

Márcio Melo

Black Folia World

 

Fotos: Paula Fróes/GOVBA

Postado por Carnaval Bahia

Carnaval 2019

A pipoca da banda ÀTTØØXXÁ por @bahiameuamor.oficial

Fotos: Rafael Vilela / @bahiameuamor.oficial

A última noite de folia no Circuito Batatinha

Foram cinco dias de programação, com mais de 80 atrações de diferentes estilos. Música afro, reggae, arrocha, axé, antigos carnavais, samba, hip-hop, guitarra baiana, além

Muzenza no Campo Grande – Terça

  Foto: Alberto Coutinho/GOVBA

A marcante apresentação da Aya Bass no Pelô

A representatividade da apresentação da banda Aya Bass, emocionou quem teve a honra de estar presente no Circuito Batatinha nesse último dia de carnaval. Fotos: Paula